Formalização do Passat Clube – RJ

Alguns dos exemplares do Passat Clube - RJ presentes no domingo
Alguns dos exemplares do Passat Clube – RJ presentes no domingo

No último domingo, dia 21 de junho, quando o Passat comemorava 41 anos de lançamento no Brasil, o Passat Clube – RJ dava prosseguimento as comemorações pelos seus 10 anos e promovia sua assembléia de fundação formal. Durante o 14º Encontro de Veículos Nacionais Antigos, realizado pelo AGMH, os associados presentes se reuniram no ônibus Caio Amélia 87/88, que foi da frota da Marinha até 2004 e hoje pertence ao sócio André Simas. O ônibus foi devidamente preparado para a ocasião, com um pequeno escritório para digitação e impressão dos documentos necessários, além do letreiro com o nome do clube.

Passat LSE 1980 e a "sede móvel", Caio Amélia 87/88, onde a reunião foi realizada
Passat LSE 1980 e a “sede móvel”, Caio Amélia 87/88, onde a reunião foi realizada

Durante a reunião, o estatuto do Passat Clube – RJ foi aprovado e a diretoria eleita, além da discussão sobre assuntos gerais pertinentes ao início das atividades formais do clube. Os trâmites legais para a conclusão do registro junto ao cartório responsável, além da Receita Federal, já começaram. Não temos por enquanto conhecimento de outro clube de Passat que tenha sido registrado como pessoa jurídica e se for este realmente o pioneiro, esperamos que isso acabe incentivando outros clubes a fazerem o mesmo e se fortalecerem no cenário do antigomobilismo brasileiro.

A diretoria, com gestão até o dia 20 de junho de 2017, ficou assim composta:

  • Diretor Presidente: André Grigorevski
  • Diretor Social: Mario Silva
  • Diretor Financeiro: André Simas
  • Presidente do Conselho Fiscal: José Carlos Miranda
  • 1º Conselheiro: Fábio Bittencourt
  • 2º Conselheiro: Bruno Lara
  • Suplentes do Conselho Fiscal: Michael Sgarbi, Ian Felipe Barros e Fábio Girão

Gonki bez finisha

gonki02

E temos mais Passat no video… Dessa vez, no filme Gonki bez finisha (Гонки без финиша), que significa algo como “corrida sem linha de chegada”. Uma produção de 1977 da União Soviética. Não consegui uma sinopse do filme, mas é fácil perceber que a trama gira em torno de uma fábrica de carros. A história é gravada na planta da fábrica da Moskvitch, um prato fundo e cheio pra quem, assim como eu, tem curiosidade por marcas como essa, praticamente desconhecidas no Brasil. O vídeo está hospedado no Youtube e pode ser assistido na íntegra.

gonki01E o Passat aparece logo no início do filme, pouco antes dos 2 minutos, quando um executivo da empresa soviética visita outras fábricas européias para avaliar os modelos em produção. O modelo 4 portas, possivelmente 1975 e com os lavadores de faróis destinados ao mercado sueco, aparece sendo finalizado na linha de montagem, com o emblema VW tampado. Após o personagem entrar no Passat, a imagem é cortada rapidamente para o interior de um Peugeot 504 e não localizei mais nenhum Passat nos trechos de filme que assisti. Passando rapidamente o cursor pelo vídeo, é possível encontrar também modelos como Ford Escort, Skoda, Dacia, Karmann-Ghia, Toyota Celica, além de diversos diversos modelos produzidos na União Soviética. Há várias cenas de rally que parecem bem interessantes.

Se o filme é bom, provavelmente é algo que nunca saberei. Mas algumas cenas já valeram a experiência.

[youtube https://youtu.be/Qi1ltftT6lw]

Veneno AntiMonotonia

cassia02Já se passaram quase 14 anos, desde aquele finalzinho de 2001, quando Cássia Eller nos deixou, em um episódio polêmico, assim como foi a sua vida, e que não nos cabe relembrar aqui. O fato é que poucos artistas fazem tanta falta no cenário brasileiro quanto ela ainda faz.

E foi uma grata surpresa quando hoje no grupo do Clube do Passat do Facebook, foi publicado o link de um vídeo do programa Video Show, que relembrou uma matéria sobre a cantora e seu filho pequeno Chicão. Na matéria, gravada em 1994, Cássia Eller vai a um quiosque da praia com seu filho, em um programa bem família, a bordo de um Passat preto. Com alguns acessório de época, ficou um pouco difícil reconhecer a versão do carro, possívelmente 1983 ou 1984, se não tiver sofrido nenhuma modernização. Existe até a chance de ser um raro Sport. Quem sabe…

cassia01Fiquem com o link para a matéria, matem um pouco das saudades dessa grande artista brasileira e confiram o Passat.

Ein neuer Wind

nico01
Créditos: CineCars

Uma bela matéria do site holandês CineCars (“Nice people drive nice cars”, como diz o slogan deles), mostra o impecável Passat L 1974 da foto acima. O carro pertence a Nico Hobma, de 46 anos, que conta que sua família teve um Passat idêntico quando ele era criança. O nome da cor, curiosamente se chama Vermelho Fênix, que aqui no Brasil batizou o vermelho metálico usado por volta de 1986. Nico conta que o Passat teve breve história na sua infância, pois após dois meses sofreu um acidente que o levou a perda total.

Em 2010 ele adquiriu o Passat da foto e o restaurou completamente, a ponto de o considerar possivelmente o melhor da Holanda. A configuração deste carro é bem curiosa pra nós brasileiros, já que aqui não tivemos a opção dos faróis oblongos e nem o modesto motor 1.3.

Vale a pena conferir a matéria, as fotos e o vídeo (este, com legendas em inglês pra facilitar a nossa vida). Tudo neste link aqui.