Cidadão do Mundo: Champagne Edition

Dasher Champagne Edition 1977Uma versão bem interessante que esteve a venda recentemente no Ebay é este Champagne Edition. O carro, emplacado no estado da Georgia, tem o charme da pintura original com a pátina do tempo e foi anunciado por um colecionador que possui outros VW na garagem. O prazo do leilão terminou e o carro foi vendido, mas infelizmente não deu tempo de saber qual foi o valor final.

VW Dasher Champagne Edition 1977VW Dasher Champagne Edition 1977A linha Champagne Edition foi vendida em 1977 e, segundo a própria literatura da Volkswagen na época, foi lançada pra comemorar a produção de 1 milhão de Rabbits (o nosso conhecido Golf). Por conta disso, foi lançada nos EUA não apenas o Rabbit Champagne Edition, mas também outros quatro modelos: Dasher, Scirocco, Beetle e Bus (Kombi). Cada modelo tinha suas características exclusivas, fazendo com que a série fosse realmente algo diferente quando comparada aos modelos normais de linha. O sucesso foi tanto que em 1978 a VW lançou nos EUA a série “Champagne Edition II”. Os mesmos modelos foram oferecidos, porém com mais opções de versões. O Dasher, por exemplo, vendido na primeira edição apenas na versão 3 portas, na segunda edição também foi oferecido nas versões 5 portas e wagon.

VW Dasher Champagne Edition 1977
Características do modelo anunciado: teto solar e estofamento original
Imagem do material publicitário da época da linha Champagne Edition
Imagem do material publicitário da época da linha Champagne Edition

O Dasher Champagne Edition era produzido na cor Turmaline Metallic, com um belo estofamento cinza. Alguns equipamentos vinham de série nesta versão, como o câmbio automático, ar-condicionado, vidros verdes e o teto de solar de metal.

Cidadão do mundo: Dasher 1975

VW Dasher 1975Com esta dica fantástica do amigo Mário Buzian, que está sempre em busca de modelos interessantes não apenas no Brasil mas também no exterior, tomo a liberdade de reviver a série “Cidadão do mundo” que durante um período era publicada em nosso blog. O Dasher não é um modelo muito cultuado em terras norte-americanas e por consequência nem sempre encontramos bons modelos anunciados por lá. Mas o que dizer quando aparece um Dasher 1975 ainda com pintura original de fábrica e 9.100 milhas rodadas (cerca de 15.000km)?

VW Dasher 1975
Pára-choques conforme a legislação norte-americana, lanternas com seta âmbar e refletores na lateral são algumas das diferenças entre o Dasher e o Passat brasileiro. Na foto abaixo, o conhecido motor 1.5.

O anúncio foi publicado no site Bring a Trailer, e no exato instante em que escrevo este post o valor do lance está em US$2.100, faltando cerca de 22 horas para o fim do leilão. O longo texto do anúncio, contando um pouco da história do modelo nos EUA, e a quantidade de fotos detalhadas até nos fazem lembrar dos “vendedores gourmet” que se espalharam pelo Brasil (favor não interpretar errado, achando que coloquei todos os vendedores de antigos no mesmo patamar). A grande diferença entre lá e cá é que aqui os valores pedidos também são gourmet e nos fazem pensar que todo carro anunciado é um modelo único no mundo.

Mas voltando ao Dasher anunciado, nos pareceu extremamente original e bem conservado. Uma lástima perceber que em qualquer parte do mundo o painel do Passat sofre com as rachaduras, mas creio que este seja o único ponto negativo do carro. O estepe ainda é o original de fábrica segundo o anúncio, com pneu produzido na Bélgica e a roda datada de setembro de 1974. O conjunto mecânico é nosso velho conhecido: motor 1.5 à gasolina e câmbio manual. A maioria dos Dasher que aparecem possuem câmbio automático, como convém ao mercado norte-americano, e muitos tem motores diesel.

VW Dasher 1975
O interior também possui diferenças em relação ao modelo produzido no Brasil. Mas o painel rachado indica que este ponto fraco não era nossa exclusividade.

Há uma certa diversão em procurar as diferenças entre o Dasher e o Passat brasileiro. Fora os pára-choques que atendiam a legislação norte-americana, cuja diferença é gritante, e o velocímetro em milhas, há diversas pequenas diferenças, como o retrovisor (de inox como os nossos, porém com base preta), os refletores nas laterais do carro (vendidos aqui nos anos 70 como acessório), os frisos dianteiros utilizados aqui nos TS e LSE até 78, comando de seta, luz de advertência sobre o uso do cinto de segurança, lanternas tricolores, entre outros.

Que encontre um novo dono que o mantenha neste estado de conservação e originalidade!

John Lennon, 1980

John Lennon… Quem não aprecia suas músicas? “Imagine” é sempre a mais lembrada entre as canções de sua carreira solo. Há quem vá lembrar automaticamente dos Beatles, sua parceria com Paul McCartney na composição de inúmeras faixas dos discos (ah, sim… discos de vinil…).”Help!”, “Strawberry Fields Forever”, “Come Together”… Os exemplos são muitos e seria besteira ficar citando. John Lennon era também um artista polêmico. Entre muitas histórias, uma das mais famosas é a de quando, ainda nos Beatles, disse em uma entrevista “Somos mais populares que Jesus Cristo”, o que gerou protestos de grupos religiosos e indignação em muita gente. Provavelmente apenas uma má interpretação da frase… O fato é que o primeiro álbum dos Beatles fará 50 anos no mês que vem, John Lennon foi assassinado há pouco mais de 30 anos, mas o tempo não apaga sua obra.

Mas o que o John Lennon tem a ver com Passat? Pouca coisa, provavelmente. Ou quase nada. Porém, o suficiente pra merecer um post aqui. A foto abaixo foi enviada pelo jornalista e passateiro Flavio Gomes e mostra o ídolo em uma de suas últimas fotos, na cidade de New York em outubro de 1980. E em segundo plano… olha o Dasher ali.

john80

Rodas: Ronal URS Teddy

Quando o assunto é roda, o Passat nacional mostra-se um legítimo expositor móvel de rodas. A variedade de rodas originais, vendidas como acessórios em concessionárias, vendidas como acessório nas melhoras casas do ramo no passado e em sua maioria, as atuais do aro 13′ ao 20′. Vamos mostrar no blog algumas opções, começando por algo cultuado, mas inusitado por aqui.

Na década de 1990 o catálogo da empresa Ronal contava com uma variedade de rodas muito interessantes, inclusive com alguns modelos que fizeram sucesso nos anos 1980 e 1990. Entre elas, algo destoava do que pode-se considerar como opção para rodas de automóveis.

Era a Ronal URS Teddy:

Fonte: http://www.ronalwheels.co.uk

Rodas com desenhos caricatos são realmente inusitadas e raras num ambiente tão masculino como o de automóveis. A roda gerou sentimentos diversos, vítima de um bom número de piadas numa época que a internet engatinhava, era desconhecida para a maioria das pessoas e obteve um número modesto de vendas.

Com o a popularização da internet e devido à coragem de alguns ao colocá-las no carro, a roda tornou-se cultuada e o preconceito deu lugar para o bom humor, sendo usada em diversos projetos interessantes e com variedade de pinturas.

A empresa deve ter recebido um significante número de pedidos para reeditar as rodas, o que levou à oferta dela no aro 14′ 5 pol., até com opção da cor branca com pintura de detalhes:

Fonte: http://www.ronalwheels.co.uk

Os leitores devem estar pensando: o que essa preciosidade tem a ver com Passat?

Fonte: http://www.thetruthaboutcars.com/2010/01/curbside-classic-1978-vw-dasherpassat-diesel-b1/
Fonte: http://www.thetruthaboutcars.com/2010/01/curbside-classic-1978-vw-dasherpassat-diesel-b1/
Fonte: http://www.thetruthaboutcars.com/2010/01/curbside-classic-1978-vw-dasherpassat-diesel-b1/
Fonte: http://www.thetruthaboutcars.com/2010/01/curbside-classic-1978-vw-dasherpassat-diesel-b1/

O Dasher ficou interessante com essas rodas, talvez pela cor preta. Dá um dó pelo estado de abandono, como pode ser visto nas fotos.

Cidadão do mundo: Estados Unidos

Há ainda um bom número de Dasher Wagon sobreviventes nos Estados Unidos, muitas ainda originais e repletas de detalhes. Porém elas precisam de um dono para mantê-las conservadas. Pena que os custos de importação não deem a coragem suficiente para nós brasileiros adotarmos uma (ou várias).

Cidadão do mundo: Estados Unidos

Mais um americano, da safra de 1981. Dasher sedan Diesel, em uma cor interessante e com razoável estado de conservação. A maioria dos Dasher eram modelos de 5 portas, com bom acabamento e com opcionais, como este com teto solar.

A grama do vizinho.

Dasher Wagon 1981, com todos os opcionais, inclusive o rack, que dá uma beleza ímpar ao modelo. As calotas são um caso à parte, não agrada a todos.

A cena é de tirar o fôlego, um pouco menos bucólico quanto a cena protagonizada pelo Fernando Zago aqui.

Interessante ver a Dasher Wagon do lado de fora da garagem e o irmão mais novo, um Audi A4, em repouso.

https://i1.wp.com/images.thesamba.com/vw/gallery/pix/784004.jpg?resize=576%2C432

E olhem que grama verdinha, sendo inevitável lembrar do famoso provérbio: The grass is always greener on the other side of the fence.