Roberto Suga reeleito na FBVA

Presidente da FBVA, Roberto SugaNota repassada pela Federação Brasileira de Veículos Antigos:

Durante o Brazil Classics Show 2016, aconteceu a Reunião Ordinária da Federação Brasileira de Veículos Antigos, que tinha como pauta a eleição para o biênio 2016-2018.

A chapa única apresentada reconduziu o atual presidente, Roberto Suga, para seu segundo biênio a frente da FBVA.

Assim ficam definidos os postos para a próxima gestão:

DIRETORIA EXECUTIVA

Diretor Presidente: ROBERTO SUGA (Chevrolet Clube do Brasil de Carros Antigos)

Vice Presidente Administrativo: ADOLPHO SÉRGIO RAMOS MASSA (Alfa Romeo Clube do Brasil)
Vice Presidente Financeiro: ALTAIR MANOEL (Veteran Car Club Florianópolis)
Vice Presidente Jurídico: FERNANDO ANTONIO MARQUES (Veteran Car Brasilia)
Vice Presidente Técnico: OTÁVIO PINTO DE CARVALHO (Instituto Cultural Veteran Car Minas Gerais)

CONSELHO FISCAL
Titulares

ANDRÉS RAIMUNDO FEDERICO PESSERL (Veteran Car Club Criciúma)
ANTONIO CARLOS LOPES (Chevrolet Clube do Brasil de Carros Antigos)
JOSÉ FERNANDO DE MIRANDA COSTA (CAA Pernambuco)

Suplentes
ARNALDO PEREIRA MUBÁRACK (Associação Maranhense de Veículos Antigos – AMAVA)
LEANDRO MAZZOCCATO (Veteran Car Club Vinhedos)
PAULO TADEU BRUDZINSKI (Veteran Car Club Brasil – Paraná)

CONSELHO CONSULTIVO

ALDIR GUIMARÃES PASSARINHO JUNIOR (Veteran Car Brasilia)
OG POZZOLI (Chevrolet Clube do Brasil de Carros Antigos)
CAETANO CARMIGNANI (CVA Piracicaba)
JOSÉ CÂNDIDO MURICY NETO (VCCB – RJ)
JOSÉ EDNÚBIO BRAGA VASCONCELOS (VCCB – CE)

A Home-Page do Passat deseja sucesso a toda Diretoria em seu segundo mandato!

FBVA atrás das “placas treta”

FBVAUm ofício do último dia 9 de julho, publicado no site da Federação Brasileira de Veículos Antigos informa que a entidade esteve em reunião com representantes do Denatran e está recolhendo material que envolva veículos com placas preta visivelmente irregulares, as por nós chamadas de “placas treta”, para que seja encaminhado a este órgão. Espera-se que com isso seja possível tomar as medidas cabíveis contra os clubes responsáveis pela emissão destes certificados de originalidade.

Vale destacar que no dia 5 de julho, durante o XIV Encontro AVA-JF de Veículos Antigos, na cidade de Juiz de Fora (MG), o presidente da FBVA, Roberto Suga, que assina o texto abaixo, fez questão de dizer que a entidade está trabalhando junto ao Denatran para que uma placa especial aos veículos antigos modificados seja implantada. Portanto, os proprietários destes carros não foram esquecidos.

Segue o texto, na íntegra:

Prezados Senhores;
Diretores Executivos, Diretores Regionais, Membros do Conselho Fiscal e Membros do Conselho Consultivo da FBVA;
Presidentes de Clubes Membros FBVA;

Conforme reunião realizada no final do mês de Junho, entre Diretores da Federação Brasileira de Veículos Antigos – FBVA e Diretores do Departamento Nacional de Trânsito – DENATRAN, em Brasília/DF, ao apresentar o contexto atual sobre emissões de Certificados de Originalidade para veículos antigos, nossa entidade foi solicitada a auxiliar, apontando irregularidades vistas em nosso segmento, para que o órgão possa tomar as devidas providências, principalmente quanto as Associações emissoras destes Certificados.

Desta forma, solicitamos aos Senhores, que possam nos enviar material para que a FBVA providencie um dossiê, contendo material suficiente o bastante para as providências do DENATRAN.

Para que possamos ter argumentos o suficiente junto ao DENATRAN, bem como facilidade de entendimento destes casos, pela Diretoria do Departamento Nacional de Trânsito, nossa sugestão e linha de trabalho neste momento, deverá ser em cima das verdadeiras “aberrações”, ou seja, veículos de fácil visualização de itens que o descaracterizam e o deixam em desacordo com aquilo que buscamos em nossas diretrizes e procedimentos.

Para que a denúncia tenha fundamento, será essencial que algumas informações sejam recolhidas, como seguem:

– Fotos claras do veículo denunciado;
– As fotos devem mostrar a placa do veículo com nitidez (sem deixar dúvidas quanto a seus caracteres e a cidade/estado em que o auto foi emplacado);
– Deverá ser feito um descritivo das irregularidades verificadas (e que deverão ser facilmente identificadas pelas fotos);
– Se possível, e muito importante, informar o clube emissor de tal Certificado.
– Se possível, cópia do Certificado de Originalidade;
– Demais documentos que entender ser importante ao processo.

Esta denúncia deverá ser enviada para o e-mail da FBVA – fbva@fbva.org.br e será recebida em caráter confidencial, sendo repassado somente o material para o órgão público competente, como sendo uma denúncia da FBVA.

A FBVA entende ser esta abertura, o início de uma grande parceria com o DENATRAN, quanto a nossas reivindicações para o antigomobilismo. Obviamente, esperamos usar desta possibilidade, de forma responsável e consciente. Contamos com a colaboração e apoio de todos.

Sem mais para o momento, desde já somos gratos pela atenção e renovamos nossos protestos de consideração e apreço.

Atenciosamente

Roberto Suga
Presidente”

O texto também pode ser conferido no próprio site da Federação. Vamos colaborar com a FBVA e torcer para que tenhamos dias melhores com relação aos veículos de coleção.

Um guia para a placa preta

destaque_placapretaAcaba de ser publicado um novo artigo na Home-Page do Passat, sobre as tão faladas e muitas vezes desejadas placas pretas que identificam um veículo de coleção. Tentamos reunir as principais informações para esclarecer as dúvidas que mais aparecem quando o assunto é a placa preta. Desde a sua criação e o que diz a legislação, passando pelas entidades que podem conceder o certificado de originalidade e até mesmo da corrupção que existe nesse meio, através de certificados de originalidade concedidos para veículos bastante descaracterizados.

Como todo texto que envolve um assunto complexo, estamos sujeitos a erros ou mesmo a faltar alguma informação importante. Portante, estamos sempre abertos a sugestões para melhorar e ajudar ainda mais não apenas os donos de Passat, mas os donos de carros antigos em geral que se interessem pelo assunto.

Para ler a matéria, basta acessar este link.

FBVA divulga “Carta de São Paulo”

FBVAA Federação Brasileira de Veículos Antigos divulgou há alguns dias o documento que ficou conhecido como “Carta de São Paulo”, que é o resultado obtido durante as reuniões do II Workshop Nacional da FBVA, realizado no final de 2014 na capital paulista. O documento traz, entre outros tópicos importantes tratados durante o evento, alterações no procedimento de avaliação de veículos para obtenção da placa preta e que passam a valer para os processos realizados pela entidade.

Fazendo uma rápida análise no texto do documento, no que concerne de importante aos proprietários de Passat interessados em obter o Certificado de Originalidade através de um clube federado, passa a valer o uso de acessórios, desde que sua comercialização na época da fabricação do veículo seja comprovada (por algum anúncio de revista, por exemplo), e “com pontuação inferior àquela deferida ao mesmo item se fosse original ou opcional de fábrica“.

As regras sobre o uso de rodas diferentes, o que sempre é um tópico polêmico e o principal item excludente visto em veículos com placa preta irregular, também foram alteradas. O documento diz que “rodas esportivas ou não, comprovadas pelo proprietário com apresentação de qualquer documento que ateste sua comercialização quando da fabricação do veículo serão acolhidas, contudo, com pontuação inferior àquela deferida ao mesmo item se fosse original ou opcional de fábrica“. Para aqueles mais entusiasmados, porém as novas regras dizem que “serão toleradas alterações de aro e tala até 1”, somente com a justificativa de escassez de peças de reposição“. Portanto, pela interpretação que faço, podem ser utilizadas no Passat qualquer roda existente na época, desde que mantenha-se o aro 13”.

Além disso, passa a ser permitido que veículos transformados por empresas especializadas da época, caso da Dacon e Sulam, por exemplo, obtenham o Certificado de Originalidade. Outra mudança das regras fala sobre o “upgrade” ou “downgrade” de modelos, citando como alguns exemplos a alteração de Maverick SL para GT, Opala standart para SS, entre outros. Fica subentendido então que um Passat originalmente de versão mais básica possa ser transformado para uma versão mais luxuosa ou esportiva e ainda assim obtenha a placa preta. O documento usa como justificativa evitar “o sucateamento de carros antigos acima apresentados que poderiam estar impedidos de circular pelo controle de emissão de poluentes“.

Está feito o registro destas mudanças. Os interessados em ler todo o documento podem baixá-lo através deste link.

Placa Treta: a arte de vender gato por lebre

sport_treta01Caros leitores, eis neste post um dos “melhores” exemplares de Placa Treta que já vi. Um raro Passat Sport 1984, onde a talvez única característica da versão que tenha restado seja o nome no documento, ostentando as placas pretas que atestam o mínimo de 80% de originalidade de um veículo antigo.

As alterações graves para um suposto carro de coleção são notadas até mesmo por quem não está muito familiarizado com o Passat ou com a versão Sport. Ainda assim cito aqui a troca das rodas, estofamento dos bancos, volante, os pára-choques envolventes, a falta do borrachão da tampa do porta-malas, o emblema solitário também na tampa do porta-malas colado em local errado, os frisos cromados dos vidros laterais e as lanternas traseiras usadas a partir de 1985 (além de estarem opacas, em péssimo estado). Isso sem contar o estado geral de conservação do carro, que não está ruim mas de qualquer maneira já não seria digno das placas pretas mesmo se o carro estivesse original. O leitor que olhar as fotos com mais atenção vai encontrar mais itens errados, mas apenas alguns dos citados já excluiriam o carro da placa preta sem nem mesmo realizar a vistoria.

sport_treta02 sport_treta03 sport_treta04O carro em questão estava a venda no evento de Campos do Jordão – SP  e as fotos foram enviadas pelo Lobão. Pesquisando na internet e pela placa dianteira decorativa, foi possível encontrar a loja especializada no comércio de veículos antigos que está anunciando este ex-Sport por módicos R$18.000,00, como pode ser confirmado no link da própria loja. Deixo, caso seja desejado, o espaço aberto aqui para explicações da loja sobre o Passat anunciado, inclusive para dizer qual foi o clube responsável pela suposta vistoria realizada para emissão do Certificado de Originalidade. Mas ao mesmo tempo deixo minha opinião de que é impossível que qualquer comerciante especializado em veículos antigos não tenha a mínima noção da irregularidade do exemplar e queira repassá-lo como sendo um veículo original.

E deixo aqui minha humilde sugestão, aproveitando o ano de eleições na FBVA, que a entidade disponibilize em seu site a opção de pesquisa em um banco de dados onde o visitante possa digitar a placa de um veículo de coleção e saber:

– Se o Certificado de Originalidade do veículo foi emitido através da entidade;

– Em caso positivo, qual foi o clube responsável pela vistoria.

É claro que esse sistema só funcionaria para fiscalizar os laudos emitidos por clubes filiados a própria FBVA, e no caso das placas pretas irregulares emitidas por clubes cadastrados diretamente ao Denatran ou via despachantes isso não seria possível. Mas seria mais um modo de fiscalização de uma lei que vem sendo descumprida descaradamente, seja pra fugir do teste de emissão de poluentes (que não é o caso do exemplar deste post, emplacado em Mogi Mirim) ou como uma tentativa de valorizar o carro em uma possível venda para completos leigos no assunto.