Fotos antigas de Curitiba

ctba - transito 3A Gazeta do Povo publicou uma matéria com 91 fotos antigas de Curitiba. São imagens fantásticas, imagino que com um gostinho ainda mais especial para quem é moradora da cidade e poderá lembrar de como eram algumas coisas por lá, que certamente mudaram ao longo dos anos.

É claro que o Passat não ficou de fora, e é possível ver alguns nas imagens. Mas também há outras imagens interessantes com uma rara Brasília de 4 portas (táxi, claro), Corcel, Belina servindo como viatura da PM, ônibus, etc. Você pode conferir todas as fotos aqui neste link,

Juiz de Fora, 1980 – Parte 2

Mais uma foto publicada no blog Maria do Resguardo, e mais um registro da cidade de Juiz de Fora em 1980. A imagem foi feita na rua Olegário Maciel, próximo a rua Halfeld.

A placa deslocada no Passat era um recurso usado ocasionalmente nos anos 70 e 80. Alguém saberia dizer o motivo? E o ano e cor do carro? Vamos ver quem mata a charada…

passatjf_olegario

Juiz de Fora, 1980

Há alguns dias conheci o excelente blog Maria do Resguardo, que publica fotos antigas da cidade de Juiz de Fora, MG. E o material de hoje vem exatamente de um dos posts deste blog. A foto foi tirada em junho de 1980, na Avenida Rio Branco, e pertence ao arquivo de Cássio Geovane Moreno.

Tomei a liberdade apenas de editar as cores das fotos, para tentar chegar mais próximo ao real.

Os visitantes do blog me ajudarão a decifrar o ano e o nome da cor deste Passat… Não está difícil.

passatjf_jun80_01 passatjf_jun80_02

São Bernardo do Campo: Fábrica da Mercedes Benz

Todos que gostam de automóveis deviam ficar ansiosos na época do colégio, para saber se os livros escolares abordariam a fase da revoução industrial e a era moderna. O motivo? Carros!

Lembro-me de devorar alguns livros de história do Brasil atrás de imagens de carros e fábricas nacionais, para entender um pouco da nossa história automotiva. Sem dúvida, uma das imagens mais conhecidas e impressas nos livros escolares é a do Presidente Juscelino Kubitschek de Oliveira desfilando em um VW Sedan conversível na fábrica da VW, no final dos anos 1950.

Fonte: Uol.com.br

Não por acaso, o presidente é citado no post de hoje, pois foi reconhecido como  incentivador das indústrias de bens de consumo duráveis. Era uma nova fase industrial no Brasil, após as indústrias de base da era Vargas.

A fábrica da Mercedes Benz é exemplo dessa fase, que assim como na VW, contou com a presença do presidente JK, como é contado aqui pelo competente Guilherme da Costa Gomes, cujo blog Antigos Verde Amarelo é referência na história do automóvel no Brasil.

As fotos a seguir foram enviadas pelo nosso amigo João Adamo, que por sua vez conseguiu com um paciente, que sabia do seu interesse por carros antigos e história.

Elas retratam a evolução da fábrica da Mercedes Benz no Brasil, com uma curiosa imagem bucólica, de quando era apenas uma casinha de madeira com uma placa.

A unidade em 1956, ano de sua inauguração.
1960
1970
1974
1976
1980

1992

Outras fotos que vieram no e-mail estão no blog Antigos Verde Amarelo, e podem ser vistas com mais informações aqui e aqui.

Álbum de família: o reencontro.

Foi com surpresa que a alguns dias recebi um e-mail do nosso amigo Cláudio P. Pessoa, com fotos antigas de uma viagem em família. Mas não eram apenas fotos, era o registro de um momento especial.

Além de gostar de automóveis, quem lida com carros antigos busca informações sobre a época do veículo, hábitos, costumes, roupas, música, tudo vira objeto de pesquisa.

Porém, muitas vezes lidamos com sentimentos que vão além da máquina e objetos. Ao lidar com os carros acabamos nos envolvendo com a história dos seus proprietários, as passagens que o automóvel esteve presente e qual sentimento que o veículo gerava na pessoa.

No caso das fotos a seguir, nada melhor do que ler o depoimento de quem vivenciou o momento, onde os carros eram coadjuvantes.

Segue a história:

“Meu pai é piauiense. Em janeiro de 1977 viajamos todos de carro para o Piauí para passar as férias com a família, saindo de São Bernardo do Campo – SP. Meu pai, minha mãe, eu, minha irmã caçula, meu irmão mais velho e, claro, o Passat. Se não me engano foram quatro dias e três noites de viagem.
O Passat LS 3 portas era zero e praticamente foi amaciado na estrada. No último dia, já no estado do Piauí, meus avós paternos, um tio e uma tia foram nos recepcionar ainda na estrada e a foto abaixo mostra o momento exato de nosso encontro.
Considerando o instante menor do que um piscar de olhos a foto se torna ainda mais preciosa. Tirada de dentro do opala de meu avô, por sinal um belo exemplar duas portas novinho também e cheio de acessórios da época.
Paramos no acostamento e nos cumprimentamos. Minha avó faleceu há um mês, aos 99 anos. Meu avô e meu tio já se foram há muitos anos. Um belo dia, boas lembranças, e o que importa: um momento feliz.”
Nosso muito obrigado ao Cláudio por dividir conosco uma lembrença tão pessoal

Álbum de família

Quem já me conhece há algum tempo, sabe que um dos meus “filhos de lata” é um Passat 4M 1978, versão que inclusive merece um post aqui no blog. Este 4M, que fará 10 anos comigo em 2013, foi comprado 0km na extinta concessionária Bittig, no Rio de Janeiro, pelo Sr. Antônio Miranda em janeiro de 1978 e ficou com ele até o seu falecimento. Toda a família tinha, claro, muita ligação com este Passat. Foram mais de 20 anos de bons serviços prestados, com inúmeras viagens, muitas alegrias e talvez algumas tristezas que este Passat testemunhou.

Quando o comprei, um álbum de antigas fotografias foi gentilmente emprestado pela família para que eu pudesse digitalizar aquelas onde o carro aparecia. E tive o prazer de ver as duas fotos que publico abaixo. Na primeira delas, o Sr. Antônio faz pose ao lado de seu Passat. Na segunda foto, sua esposa, Dona Marilene, e a filha Mônica aparecem sorrindo. Quando recebi as fotos, havia uma indicação de que elas foram feitas em 1982, há exatos 30 anos.

Podemos ficar horas aqui falando sobre as características do carro, as garras no pára-choque que hoje já não estão mais instaladas no 4M, a saudosa placa amarela… Mas nada disso importa, perto das (ótimas, certamente) lembranças que essas fotos trazem hoje a família do Sr. Antônio.