Passat TS na Nigéria

nigeria_ts600pxUm curioso folder do Passat TS na Nigéria é o tema do post de hoje no blog. Segundo o site The Samba, o ano seria 1985. Porém, como aqui no Brasil o Passat recebeu diversas mudanças na linha 85, e é de conhecimento que estes modelos atualizados foram enviados para lá, não podemos atestar com 100% de certeza que o ano informado está correto.

Como diferenças mais marcantes, além do uso da sigla TS após 1982, o último ano da versão no Brasil, destacamos grade, pára-choques e polainas na cor do carro, a carroceria de 4 portas nunca oferecida nas versões esportivas do Passat brasileiro, o retrovisor simples como os usados no Passat Special na mesma época, além do aerofólio na tampa traseira, que aparece discretamente na foto.

O folder informa entretanto, nos equipamentos de série, que a grade do radiador era preta e os pára-choques cromados, assim como os modelos vendidos no Brasil. Apesar de muitas pesquisas, não conseguimos determinar se o texto do folder está errado ou se a possibilidade dessas peças na cor da carroceria eram opcionais. Além disso, pelos dados informados no folder, o modelo da Nigéria usava o nosso conhecido motor MD-270, painel e console iguais aos dos nossos TS/GTS Pointer até 1984, além de ar-condicionado de série.

Se você tem maiores informações a respeito dessa versão nigeriana do Passat TS, entre em contato e nos ajude a solucionar as dúvidas!

Passat Nigéria hibernando

Passat Nigéria abandonado em um estacionamento do Rio de JaneiroO post de hoje é sobre um modelo que, admito, falta falar um pouco mais aqui na Home-Page do Passat, seja no blog ou site. Há poucos dias o amigo Fábio Bittencourt precisou usar um estacionamento que nunca tinha utilizado no Rio de Janeiro e fez a descoberta. Sob uma grossa camada de poeira, hiberna há anos um autêntico Passat Nigéria, que passamos a chamar desta maneira não-oficial por ter sido produzido com o objetivo de ser exportado para aquele país.

O Passat Nigéria tem características específicas como a cor de interior igual ao dos Passat LSE Iraque, vinho ou cinza, ar-condicionado de série e, diferente da versão produzida para o Iraque, não possuía apoios de cabeça nos bancos traseiros e nem console com instrumentos, além de ter carroceria de duas portas. Por um bom tempo esta versão permaneceu como um mistério, até ser esclarecido há alguns anos. Geralmente o Passat Nigéria era vendido e declarado no manual do proprietário e nota fiscal como “Passat Plus” (sabemos, porem, que o verdadeiro Plus era o 84, com motor 1.8 e detalhes exclusivos de acabamento) ou “Passat Especial” (e não Special, como a versão básica). No lado direito da tampa da mala vinha apenas o emblema “Passat”, sem qualquer outra denominação ou sigla.

Passat Nigéria abandonado em um estacionamento do Rio de JaneiroVoltando ao carro das fotos, o que foi apurado no próprio estacionamento é que o carro pertence a uma senhora, que há muitos anos paga religiosamente a mensalidade do estacionamento e não tem a menor intenção de vender o carro, pois teria pertencido ao seu pai. O Passat aparenta ainda estar bem alinhado e conservado, além de ter boa parte de suas características originais, exceto por detalhes, como a roda traseira da linha Gol mais moderna que aparece nas fotos e a inversão de lados dos emblemas traseiros. Não foi possível fotografar com clareza o interior do carro com o celular, mas é vinho e bate com as características dos Passat Nigéria. Numa consulta ao site do Detran-RJ, foi possível confirmar que a última atualização de documento do carro foi realizada em 1996, provavelmente na época da troca das placas amarelas para cinza. Outra curiosidade é que esse carro já era conhecido na região, pois permaneceu por muito tempo estacionado em uma rua sem saída, bem próximo a este estacionamento. Isso faz cerca de 10 anos e depois o carro havia saído de lá e não havia mais notícias. Mesmo parado, pelo menos agora sabemos que o seu destino não foi nenhum pátio da prefeitura e assim este Passat tem alguma chance de um dia ser colocado novamente em circulação.

E como fazemos em posts deste tipo, e até mesmo pela convicção da proprietária em não vender o carro, não vamos divulgar a sua localização. Assim evitamos inconvenientes tanto para a proprietária quanto para a administração do estacionamento.